A provocação que virou um negócio global

A decisão de criar uma empresa global surgiu de uma provocação feita por um executivo israelense durante um jantar em Telaviv (Israel), no começo de 2014. “Ele me perguntou qual era a empresa brasileira líder global em seu segmento e eu não soube responder”, lembra o curitibano Alessio Alionço, fundador da Pipefy – uma plataforma de gestão de processos que ajuda a reduzir as ineficiências das empresas no dia-a-dia.

Alionço conta que saiu do jantar com outra forma de pensar sobre os negócios. “Para ele, os brasileiros focam no País achando que é um mercado grande e seguro, mas enquanto isso o mundo anda muito mais rápido e a competição não respeita mais fronteiras”, diz o empreendedor.

“A partir daquela noite ficou claro para mim que meu próximo negócio seria global desde o primeiro dia de funcionamento.” De volta ao Brasil, decidiu se empenhar na criação de um produto que pudesse mudar a ideia do executivo israelense. Alionço tinha vendido sua primeira empresa em 2012 e, desde então, buscava um novo desafio.

Foi aí que começou a desenhar a Pipefy, hoje presente em 156 países. “Lembrava das dificuldades enfrentadas na minha empresa, com a burocracia e a demora para fazer qualquer mudança; aquilo era muito frustrante”, diz o empreendedor. A Pipefy nasceu como uma ferramenta para “empoderar” o gestor e permitir que ele faça suas próprias configurações de acordo com seu negócio, diz Alionço.

Com uma equipe de três pessoas, incluindo Alionço, a plataforma ficou pronta em abril de 2015, depois de quase um ano de desenvolvimento. Hoje a empresa, que já recebeu US$ 65 milhões de aportes de fundos de investimentos, tem 60 mil usuários, sendo 1.700 pagantes. “Metade do nosso faturamento é do Brasil e a outra metade do exterior. Atualmente, estamos 100% focado no mercado americano”, diz Alionço, cuja empresa tem sede em Curitiba e unidades em São Francisco, na Califórnia, e Austin, no Texas.

Fonte: Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

← China, Israel e um ponto em comum: inovação como base Centro de inovação da Visa faz parceria com empresas israelenses de meios de pagamento →

Leave A Reply

Comments are closed