Compliance: As lições do HSBC

Eventos 22 Mai 2013
Compliance: As lições do HSBC

Compliance: As lições do HSBC


Da multa ao HSBC nos EUA, de quase US$ 2 milhões ficaram as lições

Por: Carolina Spillari em 21 de Maio de 2013

Um bom programa de treinamento evita condenação nos casos de lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo em bancos. Essa é a opinião de Roberto Bedrikow, advogado especialista em Direito Eletrônico que falou sobre a nova Lei de Lavagem de Dinheiro na manhã desta terça-feira, 21, em evento promovido pela Câmara Brasil-Israel no Banco Daycoval em São Paulo.

O fato do banco ou instituição financeira de ter um bom programa de treinamento evita condenação na avaliação do advogado. Em alguns casos, entidades conseguiram provar em juízo a eficiência do Programa de Compliance. No entanto, não foi isso que aconteceu com o Banco HSBC nos Estados Unidos em dezembro. O caso já emblemático levou a uma multa de quase US$ 2 milhões.

Bedrikow avalia que foram quatro falhas significativas, que em geral costumam ser muito parecidas. O grande erro foi não obter ou manter informações sobre o cliente das afiliadas do grupo incluindo HSBC no México. Nessas “crises que o banco está precisando de dinheiro nos Estados Unidos, então não quer olhar muito”, analisa o advogado.

Segundo Bedrikow, mesmo que tivesse feito o processo know your customer o banco não conseguiu provar. “Não conseguiu mostrar a questão do registro e da rastreabilidade. Se o juiz ou a autoridade estão pedindo, o banco falha em não conseguir mostrar.”

Roberto Bedrikow 2

A falha consistiu em monitorar adequadamente quase US$ 2 trilhões em transferências entre 2006 e 2009 de clientes localizados em países que o HSBC nos Estados Unidos classificou como de risco. Isso incluiu mais de US$ 150 milhões de transferências do HSBC no México. Ou seja, a maioria das transações foi no exterior e eles não conseguiram monitorar essas transações.

“Não estamos falando de uma pequena transação”, diz o especialista. “Dessas muitas transações precisa-se de um elemento tecnológico muito forte e um processo muito forte. É possível que estas transações estejam envolvidas em lavagem de dinheiro. O banco não conseguiu provar que tinha um processo de compliance”, afirma.

Outra questão foi o banco não ter sido capaz de monitorar adequadamente milhões de dólares em compras de moeda em 2009. “É complicado para o pessoal de banco monitorar compras e moedas”, pontua Roberto Bedrikow.

A questão humana foi outro fator que levou ao erro. O banco falhou em prover profissionais e outros recursos para manter o programa eficaz de combate a lavagem de dinheiro. “No fundo, é uma questão do quadro profissional estar adequado ou não com treinamento”, diz.

Do caso ficaram as lições. Entre elas, treinamento, elaboração e orientação. “Um programa de compliance deve ser eficaz no sentido de dar provas de sua eficácia. Eficaz no sentido de prover as provas da eficácia. Não é só eficácia no combate a lavagem de dinheiro. Tem que ser eficaz para permitir ter a prova. Tudo isso é uma questão de prova lá na frente. Se o programa de compliance não é capaz de prestar prova em juízo não serve. O que vai contar ao final é o banco ou outra entidade que vai ser questionada sobre o cliente é o órgão regulador.”

Os programas que não consideram as consequências dos processos administrativos e jurídicos não são eficazes para as organizações em razão do alto custo das multas. Ou seja, explica o especialista, o programa sempre tem que considerar que a multa será significativa. “Não se pode partir do princípio que não é uma situação sem custo. As multas vão ser significativas e cada vez maiores, inclusive que atinjam a pessoa da administração. O programa de compliance vai custar caro, mas o preço que está sendo pago hoje é para evitar multas significativas no futuro”, pontua.

Contudo, as entidades multinacionais devem se preocupar com todas as operações dos países onde atua. “Hoje o programa é mundial e a solução é mundial. Posso acabar contribuindo para a lavagem de dinheiro fazendo transações fora do Brasil. O problema é mundial. Não é mais unicamente uma operação nacional.”

http://www.executivosfinanceiros.com.br/financas/compliance-as-licoes-do-hsbc

"O seu negócio num mundo em convulsão", com Celso Ming Palestra "O mercado financeiro israelense e o que o Brasil pode aprender com Israel" com Chemi PeresChemi Peres, son of Shimon Peres and the largest fund manager of Venture Capital, was in Brazil invited by the Brazil Israel Chamber of Commerce

Leave A Reply

Comments are closed