Mobileye estuda montar produtos no Brasil a partir de 2020

Na busca pela constante pelo desenvolvimento do carro autônomo, uma série de empresas ganha espaço entre os fornecedores da indústria automotiva. Uma das que ganharam mais fama nos últimos anos é Mobileye, que produz sistemas de sensores e câmeras que permitem aos veículos enxergar e traçar cenários. A companhia chegou ao Brasil em 2018, representada pela FFTech, e já tem planos de montagem local de seus kits de sensores.

“Queremos estabelecer uma fábrica no Brasil no segundo semestre do ano que vem”, conta Celso Gitelman, CEO da representante exclusiva da empresa no País. Segundo ele, já então em avaliação potenciais locais para receber o projeto, que deve sair do papel com parte do investimento vindo da própria matriz israelense da companhia.

Por enquanto, a empresa vende no Brasil apenas um produto importado: um kit de sensor e visor que pode ser acoplado no para-brisa do veículo e emite alertas de segurança ativa para uma série de situações, como mudança de faixa de rodagem, controle de farol alto, alerta de colisão, entre outras funções.

“A solução só é fornecida localmente no pós-venda e na adaptação para clientes especiais de algumas marcas”, diz, citando a Mercedes-Benz e a Volkswagen Caminhões e Ônibus. Com estas entregas, a demanda local pelo kit já saltou de 2 mil unidades em 2018 para 8 mil previstas para este ano.

“Estamos negociando o fornecimento do equipamento original às montadoras e, com isso, o nosso volume deve subir para 50 mil kits em 2020”, estima.

CRESCIMENTO RÁPIDO

Fundada em 1999 por dois pesquisadores, a empresa sempre teve o propósito de oferecer visão computacional de alta definição para aumentar a segurança dos veículos. Celso conta que foram anos de pesquisa sem qualquer lucratividade, mas que o amadurecimento da tecnologia e a ascensão da demanda da indústria impulsionaram as vendas e a expansão da companhia nos últimos anos.

“Já temos mais de 40 milhões de veículos rodando com tecnologia Mobileye no mundo”, conta.

Diante do alto potencial, o controle majoritário da empresa foi comprado pela Intel em 2017. A empresa conta ainda com contratos de fornecimento com dezenas de fabricantes de carros globalmente, além de parcerias com algumas delas para pesquisa e desenvolvimento de carros automatizados.

← Israel produz água através do ar para pequena comunidade colombiana Ben Harel: “um ecossistema não se constrói por revolução, mas por evolução” →

Leave A Reply

Comments are closed